Informações

Home / Informações

Como faço a limpeza do meu box???

Indicamos passar o bombril seco, com movimentos leves passe o bombril somente no vidro e depois lustre com produto de limpeza vidrex, veja, limpa vidros etc, nos perfis de acabamento passe apenas um pano úmido.

Não indicamos passar a bucha amarela e verde pois o lado amarelo não limpa totalmente e o lado verde risca o vidro, o sabonete que usamos diariamente que geralmente é fabricado a base de gorduras e o nosso própio corpo espalham resíduos gordurosos no vidro do box na hora do banho deixando-o opaco e com aspecto envelhecido, fazendo a limpeza dessa forma você terá o seu box com um aspecto sempre de novo.

Outra dica importante é sempre que sair do banho fechar a porta do seu box pois uma vez que aberto condensa o ar entre vidros dificultando a secagem e também a limpeza.

Box para banheiro a pronta entrega

A maioria dos fabricantes e distribuidores de box para banheiros tem o vidro temperado para box já pronto, como a nossa empresa trabalha também com box para banheiro temos a disponibilidade para também poder entregar e instalar o seu box com um prazo reduzido e garantia da máxima qualidade.

Envidraçamento de sacadas: sacada de vidro laminado entregamos o vidro, o alumínio com os respectivos acessórios instalado, funcionando no prazo mínimo de 25 dias úteis e no máximo 30 dias úteis, geralmente entregamos antes, porém prevalece o prazo estipulado nas clausulas do contrato.

Descritivo de materiais de instalação

A soglass tem a satisfação de oferecer um serviço de qualidade com mão de obra especializada e agilidade na entrega. Nossos serviços: box para banheiro espelhos fechamento de sacada envidraçamento de sacadas sacada de vidro sacada de vidro laminado divisória de vidro fechamento de ambientes.

Descrição do envidraçamento de sacadas no envidraçamento de sacadas oferecemos a sacada retrátil, sistema europeu onde não há perfis de alumínio ou tubo entre vidros, as peças são deslizantes permitindo abertura total ou parcial do ambiente onde as peças estacionam todas de um lado, sistema de travamento com chave visando a segurança de crianças, sistema de limpeza totalmente prático onde não precisa se debrussar para o lado de fora da sacada para limpar.

Hoje, os edifícios modernos buscam, cada vez mais, valorizar o ambiente social e de lazer com o envidraçamento de sacadas. Neles as sacadas deixam de ser um reservado apenas para colocar as plantas e vasos, como acontecia nos antigos projetos, para se tornar em estenção do apartamento voltada para o lazer e descontração. Aliás, em tais projetos, o envidraçamento de sacadas e varandas que fechadas por vidro laminados corrediços, sem perfis verticais, resultam no atrativo à decisão de compra ou locação de um imóvel.

Assim a revolução arquitetônica do envidraçamento de sacadas veio a dar funcionalidade a espaços até então desprezados, além de preservar e ampliar a segurança, sem falar na revolução imobiliária.

É de se registrar, também, antigos edificios vem buscando a modernidade, não só bubstituindo as antigas pastilhas, por revestimento cerâmico, como adequando o envidraçamento de sacadas às conquistas da nova arquitetura brasileira e mundial.

Apesar dos beneficios conhecidos, até por pretenso espirito de zelo e segurança, ainda existegrupos de condôminos que tem procurado impedir que áreas sem utilidadeou de utilidade reduzida, sejamdotadas de funcionalidade, na suposição de que o envidraçamento de sacadas promoveria uma alteração na fachada, caso em que o inciso 111, do art. 1.336, do ccb vedaria.

O simples envidraçamento de sacadasnão implica na alteração da forma externa da fachada que não obstante o acrécimo decorrente dessa obra se conserva imutável em suas linhas arquitetônicas, nº 51.149- capital- câmera civil do tasp

Ora, vê-se que a iniciativa do envidraçamento de sacadas, cada vez mais, promove, além de maior segurança, preteção contra agentes climéticos (chuvas, vento, poluição, raios solares, poeira), redução de ruidos, a estenção da sala de estar ou de qualquer outro ambiente, gerando condição de maior aproveitamento dos espaços, cada vez menores nas modernas edificações.

Descritivo de instalação do kit sacada

A montagem do envidraçamento de sacadas pode ser feito sem riscos de acidentes se forem obedecidos todos os procedimentos indicados.

O envidraçamento de sacadas é composto por um conjunto de alumínios e vidros sobre medida e acessórios.

A medida dos vidros geralmente é considerado com largura de 50 cm vidro de 10mm laminados com lapidação reta e filetes de vadação.

Para realizar o envidraçamento de sacadas é preçiso as laminas de vidro, o kit sacada e os acessórios que vão de parafusos, buchas, silicones de vedação, roldanas, fechaduras e as ferramentas.

O primeiro passo para o envidraçamento de sacada é uma medição correta, altura vezes largura.

Vale a pena lembrar que sacada de vidro curva deve-se considerar os perfís de alumínios maior pois estima-se que a perda é de +-20% dos perfís de acabamento.

Amedição das larguras e altura deve ser feitas em vários pontos observendo se a parede não está muito irregular.

Como várias sacadas são curvas deve se medir em espaços de meio em meio metro para saber o grau exato e com relação a isto  é importante observar que o transferidor de grau deve ter a mesma escala da policorte.

Para a colagem o procedimento deve ser os seguintes:

Descarte os vidros empenados,

Posicione os vidros na mesa de montagem,

Cole os leitos nos vidros com silicone específico para esse fim,

Precione o aluminio no vidro até comnseguir a total colagem,

Repita esse procedimento em todos os vidros,

O corte dos alumínios deve obedecer rigorosamento o projeto do medidor,

Quanto a usinagem existe tres cortes que preçisam ser feitos nos alumínios que são as saidas das roldanas, recorte para as saidas dos pinos guias e o recorte para a fixação da fechadura,

Aplique os filetes de vedação entre vidros,

Deixe o material colando por dois dias assim adquire-se a cura total do silicone.

A sequencia de montage obedece os seuinte quesitos:

Encaixe dos estacionamentos no trilho superior e inferior,

Faça as saidas de agua no perfil u de vedaçao encaixe as roldanas em seguida afixe ambos com parafusos,

Encaixe as escovas de vedação,

Encaixe os vidros nas roldanas para depois fazer a regulagem,

Por fim faça a limpeza dos vidros para depois aplicar o silicone final de vedação entre trilhos e parede.

Descritivo de materiais de instalação

A soglass tem a satisfação de oferecer um serviço de qualidade com mão de obra especializada e agilidade na entrega. Nossos serviços: box para banheiro espelhos fechamento de sacada envidraçamento de sacadas sacada de vidro sacada de vidro laminado divisória de vidro fechamento de ambientes.

Descrição do envidraçamento de sacadas no envidraçamento de sacadas oferecemos a sacada retrátil, sistema europeu onde não há perfis de alumínio ou tubo entre vidros, as peças são deslizantes permitindo abertura total ou parcial do ambiente onde as peças estacionam todas de um lado, sistema de travamento com chave visando a segurança de crianças, sistema de limpeza totalmente prático onde não precisa se debrussar para o lado de fora da sacada para limpar.

Hoje, os edifícios modernos buscam, cada vez mais, valorizar o ambiente social e de lazer com o envidraçamento de sacadas. Neles as sacadas deixam de ser um reservado apenas para colocar as plantas e vasos, como acontecia nos antigos projetos, para se tornar em estenção do apartamento voltada para o lazer e descontração. Aliás, em tais projetos, o envidraçamento de sacadas e varandas que fechadas por vidro laminados corrediços, sem perfis verticais, resultam no atrativo à decisão de compra ou locação de um imóvel.

Assim a revolução arquitetônica do envidraçamento de sacadas veio a dar funcionalidade a espaços até então desprezados, além de preservar e ampliar a segurança, sem falar na revolução imobiliária.

É de se registrar, também, antigos edificios vem buscando a modernidade, não só bubstituindo as antigas pastilhas, por revestimento cerâmico, como adequando o envidraçamento de sacadas às conquistas da nova arquitetura brasileira e mundial.

Apesar dos beneficios conhecidos, até por pretenso espirito de zelo e segurança, ainda existegrupos de condôminos que tem procurado impedir que áreas sem utilidadeou de utilidade reduzida, sejamdotadas de funcionalidade, na suposição de que o envidraçamento de sacadas promoveria uma alteração na fachada, caso em que o inciso 111, do art. 1.336, do ccb vedaria.

O simples envidraçamento de sacadasnão implica na alteração da forma externa da fachada que não obstante o acrécimo decorrente dessa obra se conserva imutável em suas linhas arquitetônicas, nº 51.149- capital- câmera civil do tasp

Ora, vê-se que a iniciativa do envidraçamento de sacadas, cada vez mais, promove, além de maior segurança, preteção contra agentes climéticos (chuvas,vento, poluição, raios solares, poeira), redução de ruidos, a estenção da sala de estar ou de qualquer outro ambiente, gerando condição de maior aproveitamento dos espaços, cada vez menores nas modernas edificações.

Descritivo de instalação do kit sacada

A montagem do envidraçamento de sacadas pode ser feito  sem riscos de acidentes se forem obedecidos todos os procedimentos indicados.

O envidraçamento de sacadas é composto por um conjunto de alumínios e vidros sobre medida e acessórios.

A medida dos vidros geralmente é considerado com largura de 50 cm  vidro de 10mm laminados com lapidação reta e filetes de vadação.

Para realizar o envidraçamento de sacadas é preçiso as laminas de vidro, o kit sacada e os acessórios que vão de parafusos, buchas, silicones de vedação, roldanas, fechaduras e as ferramentas.

O primeiro passo para o envidraçamento de sacada é uma medição correta, altura vezes largura.

Vale a pena lembrar que sacada de vidro curva deve-se considerar os perfís de alumínios maior pois estima-se que a perda é de +-20% dos perfís de acabamento.

Amedição das larguras e altura deve ser feitas em vários pontos observendo se a parede não está muito irregular.

Como várias sacadas são curvas deve se medir em espaços de meio em meio metro para saber o o grau exato e com relação a isto  é importante observar que o transferidor de grau deve ter a mesma escala da policorte.

Para a colagem o procedimento deve ser os seguintes:

Descarte os vidros empenados,

Posicione os vidros na mesa de montagem,

Cole os leitos nos vidros com silicone específico para esse fim,

Precione o aluminio no vidro até comnseguir a total colagem,

Repita esse procedimento em todos os vidros,

O corte dos alumínios deve obedecer rigorosamento o projeto do medidor

Quanto a usinagem existe tres cortes que preçisam ser feitos nos alumínios que são as saidas das roldanas, recorte para as saidas dos pinos guias e o recorte para a fixação da fechadura,

Aplique os filetes de vedação entre vidros,

Deixe o material colando por dois dias assim adquire-se a cura total do silicone.

A sequencia de montage obedece os seuinte quesitos:

Encaixe dos estacionamentos no trilho superior e inferior,

Faça as saidas de agua no perfil u de vedaçao encaixe as roldanas em seguida afixe ambos com parafusos,

Encaixe as escovas de vedação,

Encaixe os vidros nas roldanas para depois fazer a regulagem,

Por fim faça a limpeza dos vidros para depois aplicar o silicone final de vedação entre trilhos e parede.

Normas para o envidraçamento de sacadas abnt nbr

16259/2014 de 16/02/2014

O envidraçamento de sacadas estão em alta nos novos empreendimentos, pois ampliam a sala, as vezes até com churrasqueira, e que pode ser usado confortavelmente como área social.  Envidraçados esses novos ambientes causam polêmicas especialmente nos edificios que não foram construidos com a previsão do envidraçamento de sacadas e de seu terraços.   As convenções, em sua maioria, proibem modificações que impliquem em alterações da fachada original.

O artigo 1.336 do código civil determina entre os deveres do condõmino: não realizar obras que comprometam a segurança da edificação;   não alterar a forma e a cor da fachada, das partes e esquadrias externas;  dar as suas partes a mesma destinação que tem a edificação;   e não as utilizar de maneira prejudicial ao sossego,  salubridade e segurança dos possuidores, ou aos bons costumes.  Já o artigo 10º da lei 4.591/64 diz que é proibido a qualquer condômino alterar a forma externa da fachada e decorar as partes e esquadrias externas com tonalidades ou cores diversas das empregadas no conjunto da edificação.

Ocondômino precisa de aprovação de 100% dos condôminos para autorizar o fechamento da sacadas.  Mas, muitos estão aprovando uma uniformização dos projetos de fechamento de sacadas com quoruns menores,  garantindo um padrão único e impedindo a deteorização das sacadas.   O aumento da área útil das varandas é outra questão a ser considerada.

Sistemas de envidraçamento de sacadas- requisitos e métodos de ensaio

Estabelece os requisitos e os métodos de ensaio que asseguram o desempenho dos sistemas de envidraçamento de sacadas, em edificações de uso público ou privado.   Um sistema de envidraçamento de sacadas é composto por painéis deslizantes, pivotantes e/ou fixos de vidro de segurança, que tem como objetivo possibilitar a proteção parcial ou total contra interpéries de uma sacada ou varanda.  Este sistemanão exerce as funções de guarda-corpo ou de estanqueidade, sendo um sistema auxiliar do fechamento de sacadas.

Se o sistema vai utilizar painéis de vidro, estes devem ser: a) vidro de segurança laminado, conforme nbr 14697: b) vidro de segurança temperado, conforme nbr 14698.  O tipo de vidro utilizado deve atender aos valores de pressão de vento e os critérios estabelecidos para cada região do país onde o sistema será instalado, conforme estabelecido em 5.6 e avaliado visualmente, por meio de sua roptura. A espessura deve ser calculada de acordo com o estabelecido pela nbr 7199.

A fixação do vidro ao perfil deve ser mecãnica, normalmente por meio de parafusos, ou quimica, por meio de adesivos. Para a fixação quimica, é nescessário atender os seguintes requisitos:  a) limpeza do perfil e do vidro de qualquer substância desengraxante e sujeira. A limpeza do vidro deve ser feita com álcool isopropílico 90% ou um ativador de superfície indicado pelo fabricante do adesivo:  b) o adesivo não pode ser aplicado no perfil sem acabamento.  O acabamento não pode ter falhas, pois isto pode comprometer o desempenho do adesivo;  c) no caso de adesivo a base de poliuretano,  o adesivo não pode ser exposto aos raios ultravioleta e, em caso de uma parte do adesivo ficar exposto, este deve ser selado;  d) a área de aplicação do adesivo deve ser de acordo com o peso do vidro e tamanho do perfil, devendo-se obedecer a orientação do fabricante com relação as cargas suportadas por quantidades aplicada do adesivo, de acordo com abnt nbr 15737;  e)  deve-se obedecer o tempo de cura do adesivo estipulado pelo fabricante antes da instalação do sistema;  f) quando utilizados selantes a base de silicone, estes devem ser de cura neutra e utilizados para colagens estrutural.

Em todos os casos, seja qual for a base do adesivo, dese-se seguir as orientações do fabricante do adesivo em relaçãoaos cuidados antes da aplicação, quantidade do adesivo e tempo de cura.  Deve-se estabelecer o peso total do conjunto de carga concentrada em pontos determinados, podendo ser em um ou vários pontos. Neste caso, deve-se considerar as cargas eventuais que a sacada envidraçada pode suportar.

Deve-se consultar, na elaboração do projeto, o engenheiro calculista do edificio onde o sistema deve ser instalado ou a construtora do prédio, sendo o mesmo envolvido na elaboração e aprovação do projeto.  Caso não haja possibilidade de acesso as informações dos cálculos estruturais, o responsável pelo projeto deve seguir os parâmetros exigidos na nbr 6120 e/ou executar prova de carga, descrita na nbr 9607 para definição da resistência do elemento estrutural.

Deve-se levar em consideração que o ponto crítico da carga é a área de recolhimento dos painéis quando o sistema encontra-se aberto.  O sistema de envidraçamento de sacadas, quando ensaiado conforme descrito e submetido a pressão de vento sem causar quaisquer deformação.

Instalação de box:

  • Inicie a instalação do box tirando a largura para se certificar de que está correta,
  • Depois verifique o prumo das paredes para constatar se a mesma não está torta,
  • Fure a parede para afixar o conjunto de fixação,
  • Corte o perfil inferior na largura exata onde o box deve ser instalado,
  • Certifique se coincide com a largura superior,
  • Fixe o perfil inferior com silicone, (não é indicado furar o chão para evitar infiltração para o apartamento inferior.)
  • Coloque as cunhas de calce e encaixe do vidro fixo
  • Encaixe o trilho superior
  • Em seguida encaixe o vidro fixo
  • Depois vede bem com silicone especial para box
  • Em seguida encaixe a porta
  • E por fim os arremates de acabamento.

É perfeitamente possível o envidraçamento de sacadas em condomínios edilícios, desde que com vidros transparentes, sendo, no entanto, imprescindível a aprovação da obra por todos os condôminos e de forma unanime, incluindo-se aí também os inadimplentes com suas obrigações e contribuições condominiais.

atualmente tem sido muito comum a prática do envidraçamento de sacadas, tornando-se inclusive um negócio especializado,sendo comum a oferta da prestação do serviço para tal intento em anúncios. Sendo permitido desde que obedecendo o código civil, compreendido entre os artigos 1331 a 1358, como também a lei 4591/64, além dos códigos ou leis que regulem posturas públicas dos municípios ou mesmo legislação no âmbito estadual.

A questão do envidraçamento de sacadas é abordada tendo como referência somente a jurisprudência, a lei 4591/64 e o código civil, artigos 1331 a 1358. A legislação local, tal como códigos ou leis de posturas públicas dos municípios ou mesmo leis estaduais ou regulamentação ou portarias de órgãos públicos que tratem ou regulem a ocupação do solo e respectivas construções,
2. O envidraçamento das sacadas em condomínios edilícios

A primeira questão que surge quando o tema envidraçamento das sacadas em condomínio edilício é abordado é se há permissão legal para tal, bem como o posicionamento da jurisprudência sobre o tema.  Segundo a legislação vigente, não há como negar que a pratica do envidraçamento das sacadas em condomínios edilícios é uma realidade.
O condomínio edilício ou condomínio em plano horizontal é atualmente regido pelo código civil, lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002, em seus artigos 1331 a 1358, e pela a lei 4591/64, no que couber, haja vista, conforme entendemos, a revogação tácita de alguns de seus artigos pelo novo código civil.
2.1.  O envidraçamento das sacadas e a legislação

O artigo 1.336 do cc dispõe sobre os deveres dos condôminos; dentre estes destacamos o de não realizar obras que comprometam a segurança da edificação, previsto no inciso ii do referido artigo e o de não alterar a forma e a cor da fachada, das partes e esquadrias externas, disposto inciso iii do mesmo.
Além dos deveres previstos no artigo 1.336, estão os condôminos também sujeitos às regras do direito de vizinhanças, estas previstas nos artigos 1.277 a 1.313 do código civil.
Dentre o direito de vizinhança, destacamos os artigos 1277, 1.306, 1.308 e 1.312 do cc, reproduzidos a seguir in verbis:art. 1.277. O proprietário ou o possuidor de um prédio tem o direito de fazer cessar as interferências prejudiciais à segurança, ao sossego e à saúde dos que o habitam, provocadas pela utilização de propriedade vizinha.
   
À luz do artigo 1277, admitida a possibilidade de envidraçamento das sacadas em condomínios edilícios, qualquer condômino poderia, a qualquer tempo, exercer o direito de cessar as interferências à sua segurança e a dos que habitam o condomínio, desta forma, podendo exigir a cessação ou desfazimento da obra de envidraçamento de sacadas se esta trouxer qualquer perigo aos que lá habitam; vide também o artigo 1312 infra, seja pela possibilidade do desprendimento dos vidros ou comprometimento da estrutura da edificação, tais como vigas, colunas, notadamente o piso da sacada, parapeito da sacada em que se apoiará a obra de envidraçamento de sacadas e assim por diante.
 
Art. 1.306. O condômino da parede-meia pode utilizá-la até ao meio da espessura, não pondo em risco a segurança ou a separação dos dois prédios, e avisando previamente o outro condômino das obras que ali tenciona fazer; não pode sem consentimento do outro, fazer, na parede-meia, armários, ou obras semelhantes, correspondendo a outras, da mesma natureza, já feitas do lado oposto.
Em relação ao artigo 1306, o condômino que pretendesse realizar obra de envidraçamento de sacada, na hipótese de ser permitida, teria a obrigação de obter autorização do vizinho de parede-meia, caso houvesse a necessidade de utilizá-la para suporte das esquadrias, ou qualquer outro equipamento de sustentação da obra de envidraçamento de sacadas, não o fazendo, poderia o vizinho de parede-meia invocar o artigo 1277 supra e 1312 infra e exigir a cessação ou desfazimento da obra.

Art. 1.308. Não é lícito encostar à parede divisória chaminés, fogões, fornos ou quaisquer aparelhos ou depósitos suscetíveis de produzir infiltrações ou interferências prejudiciais ao vizinho.
Se além do envidraçamento das sacadas, tivesse o condômino o interesse em instalar churrasqueiras e seus acessórios, tal pretensão encontraria óbice no artigo 1308, pois, expressamente proibido em lei, sendo, portanto, objeto de desfazimento ou cessação da obra por exigência do vizinho de parede-meia, ou mesmo, segundo nosso entendimento, de qualquer condômino do edifício, bastando para isto invocar o artigo 1277 supra e o 1312 infra.

Art. 1.312. Todo aquele que violar as proibições estabelecidas nesta seção é obrigado a demolir as construções feitas, respondendo por perdas e danos.
Importante observar que, de acordo com inciso i, do artigo 10 da lei 4591/64, in verbis,

Art. 10. É defeso a qualquer condômino: i – alterar a forma externa da fachada; em primeira análise, sob a luz do código civil e da lei 4591/64, pode-se dizer que o envidraçamento de sacadas em edifícios edilícios é permitido,desde que não altere as características marcantes e a unidade estética da fachada do edifício, no entanto, o mesmo artigo 10 da lei 4591/64, que proíbe a alteração de fachada, também a flexibiliza, especificamente em seu parágrafo § 2º, in verbis:
§ 2º o proprietário ou titular de direito à aquisição de unidade poderá fazer obra que (vetado) ou modifique sua fachada, se obtiver a aquiescência da unanimidade dos condôminos.
Além disso, ainda poder-se-á contrapor a proibição expressa no inciso i do artigo 10 da lei 4591/64, alegando-se que o envidraçamento da sacadas, desde que transparente, não afetaria propriamente a harmonia da fachada, portanto, tal restrição não se aplicaria a estes casos.
Admitindo-se a tese, outros fatores haveriam de ser levados em consideração, isto é, o risco à segurança e a possível dano a edificação como um todo em razão da obra de envidraçamento, pois, há que se prever que todos os condôminos a desejem, neste sentido, haveria a necessidade da análise e perícia técnica do projeto de envidraçamento pretendido, como também a análise e perícia técnica estrutural da edificação como um todo, a fim de se obter o dimensionamento do peso do envidraçamento, bem como dos objetos e coisas que poderiam lá ser dispostas, de modo a ser afastado todo e qualquer risco a edificação e consequentemente dos condôminos, empregados, como também a vizinhança do entorno.
Além disso, não havendo pretensão unânime para tal feito, em observância ao direito de vizinhança, o condômino que pretendesse envidraçar sua sacada haveria de informar seu vizinho de parede-meia, as demais obras que pretende ou necessita realizar concomitantemente ao pretendido envidraçamento da sua sacada, observando-se que independentemente do envidraçamento ou não da sacada, é dever do condômino o pedido de autorização ao seu vizinho para a construção de armários e assemelhados que se utilize da parede-meia, conforme artigo 1.306; estando vedados, mesmo que autorizados, a construção de fornos, churrasqueiras ou quaisquer aparelhos suscetíveis de produzir interferências prejudiciais ao vizinho, conforme artigo 1.308 do código civil. Neste sentido, haveria também de observar o regramento interno do condomínio, isto é, a convenção condominial, bem como informar e solicitar autorização ao grupo gestor do condomínio.

A não observância dos regramentos ora expostos dá ao vizinho de parede-meia e demais condôminos prejudicados, incluindo-se os vizinhos do entorno, isto é, os vizinhos extracondomínio, o direito de cessar as interferências prejudiciais à segurança, conforme dispõe o artigo 1277 do código civil; bem como a obrigação daquele que os violou de demolir as construções feitas, respondendo ainda pelas perdas e os danos causados, artigo 1.312.  Há sempre que se levar em consideração, repetimos, que a realização de obras que acrescentem carga, ou alterem a sua distribuição à estrutura da edificação, deve ser muito bem avaliada, haja vista o risco do comprometimento das estruturas ou mesmo o desabamento do edifício, não devem faltar exemplos de danos causados pela inobservância do exposto.
Acresçam-se as regras da convenção condominial, as quais podem proibir de forma expressa ou exigir quorum específico para a realização de mudanças que importem, por exemplo, na alteração externa das fachadas, seja ela qual for; mais ainda se tal mudança implicar em agravamento das cotas condominiais.
Neste sentido, mesmo que a convenção condominial permita o envidraçamento da fachada mediante a aprovação em assembléia, a sua aprovação só será inquestionável se a mesma for dada por todos os condôminos e de forma unânime, § 2º do art. 10 da lei 4591/64, incluindo-se aí – entendemos - mesmo aqueles que não estão em dia com suas obrigações condominiais, sejam elas quais forem, haja vista o caráter de alteração permanente da fachada que tal iniciativa tende a produzir, aplicando-se tal entendimento mesmo que a convenção preveja, por exemplo, quorum igual a 2/3, como é usualmente previsto nas convenções condominiais para a tomada de decisões de grande relevância, como é o caso.
Encerradas as considerações relativas à legislação a respeito do tema, passemos então a análise da jurisprudência.

2.2. O envidraçamento das sacadas e a jurisprudência

A jurisprudência tem entendido ser possível o envidraçamento de sacadas, desde que aprovada, como já mencionado, por unanimemente pelos condôminos,ementa: obrigação de fazer condomínio pretensão ao envidraçamento de sacadas hipótese em que seria alterada a forma externa da fachada do edifício não aprovação da modificação pela unanimidade dos condôminos do exposto, não há que se cogitar o envidraçamento de sacada sem o consentimento de uma assembléia de condôminos, além disso, a aprovação não unânime pode acarretar a obrigação do desfazimento da obra, pois, não há como negar que houve alteração da fachada; além disso, viola o disposto no §2º, do artigo 10 da lei 4591/64.
Neste sentido, entende-se que o tipo de material utilizado, isto é, vidros transparentes, como mencionado supra, não teria o condão de amenizar as exigências convencionais e, sobretudo, as legais, isto é, aprovação da totalidade dos condôminos, donde se entende, independentemente destes estarem ou não em dia com suas obrigações condominiais, pois, o estado de inadimplemento das obrigações invariavelmente possui caráter transitório e o envidraçamento da sacada, contrariamente, possui caráter de permanência, perenidade.

2.3. O envidraçamento das sacadas, as despesas derivadas e o condomínio edilício

Até este ponto, discutiu-se a possibilidade legal do envidraçamento da sacada, possibilidade esta que segundo a legislação e jurisprudência, pode ser entendida como possível. No entanto, na hipótese do envidraçamento ser aprovado pela unanimidade dos condôminos, estariam todos obrigados a contribuir para eventuais obras de reforço do solo, pisos de concreto armado, vigas, colunas e demais obras que se fizerem necessárias para tal intento? Entendemos que não, vejamos então.
O artigo 1340 é muito claro a respeito do agravamento das despesas condominiais quando estas beneficiam apenas àqueles que dela se servem, in verbis,
  art. 1.340. As despesas relativas a partes comuns de uso exclusivo de um condômino, ou de alguns deles, incumbem a quem delas se serve.

O envidraçamento de sacada é de caráter voluptuário, ou, se preferível, destinado ao deleite daquele que a executa, não se configurando, portanto, em despesas para conservação e manutenção do condomínio, logo não obrigatória aos demais, não há como exigir que condôminos que não queiram envidraçar suas sacadas arquem com as despesas, sejam elas quais forem, para deleite de terceiro, a autorização neste caso não significa anuência com as despesas que dela será originem, restringe-se a permitir que a fachada do prédio seja alterada, à custa com perícias técnicas, obras de reforços das estruturas, vigas, pisos, lajes, solo, projetos arquitônicos e demais obras correlatas devem recair somente sobre aqueles que dela se beneficiarão, no caso, recaírem sobre as cotas condominiais dos que pretendam envidraçar sua sacada, pois desta pretensão podem surgir tais gastos.
Conclusão

Do exposto, entendemos ser possível o envidraçamento de sacadas em condomínios edilícios, desde que com vidros transparentes, sendo, no entanto, imprescindível à aprovação da obra por todos os condôminos e de forma unanime, incluindo-se aí também os inadimplentes com suas obrigações e contribuições condominiais. 
Sendo aprovado o envidraçamento, nos termos supraexpostos, deverá o projeto ser objeto de análise e perícia técnica com o intuito de afastar qualquer dano ou risco a segurança dos condôminos e do condomínio como um todo, obtendo-se também a avaliação estrutural do edifício, dos pisos e parapeitos das sacadas, bem como da carga máxima permitida, ou seja, o peso máximo permitido para objetos e coisas que poderão ser acomodados sobre o piso da sacada após o envidraçamento desta, haja vista o próprio envidraçamento atribuir carga considerável sobre o piso e parapeito da sacada que o acomoda.

Apesar da aprovação do envidraçamento de sacada estar condicionada, segundo nosso entendimento, à totalidade dos condôminos nos termos supracitados, as despesas, no entanto, haverão de ser suportadas somente por àqueles que a pretendam; notadamente as despesas com contratação de peritos, arquitetos e engenheiros, empreiteiros, bem como as acessórias e derivadas para tal intento, conforme disposto no artigo 1340 do código civil, in verbis:

Art. 1.340. As despesas relativas a partes comuns de uso exclusivo de um condômino, ou de alguns deles, incumbem a quem delas se serve.
Tendo em vista tal obra ser de caráter voluptuário, ou, se preferível, destinado ao deleite daquele que a executa, não se configurando, portanto, em despesas para conservação e manutenção do condomínio, logo não obrigatória aos demais.

Por fim, admitida à possibilidade do envidraçamento das sacadas, além da observância do exposto, entende-se necessário à submissão do projeto de envidraçamento e respectivos laudos periciais e técnicos para aprovação pela prefeitura local e demais órgão competentes.

Definição: a Soglass garante a qualidade dos materiais e acessórios utilizados no box tais como: trilho superior, trilho inferior, perfis laterais, qualidade do vidro em caso de risco, roldanas, puxadores, guias, batentes, junções de acabamento, garantimos também a qualidade dos nossos serviços tais como; furação, vedação em caso de vazamento, qualidade do silicone nível e prumo garantindo o alinhamento correto no ato da instalação, não garantimos a reposição do seu box sem custo adicional em caso de estilhaça mento, deixando-os ciente do termo de garantia.

Do envidraçamento de sacadas: qualidade do vidro laminado, kit instalação de alumínio, qualidade do alumínio, qualidade dos respectivos acessórios, qualidade da mão de obra, qualidade da fixação, garantia total de 05 anos.

VEJA ALGUNS DE NOSSOS SERVIÇOS